Conta de luz em Goiás vai ficar mais cara

0
290

 

A conta de luz dos goianos vai ficar mais cara. Um aumento médio de R$ 0,15 ​​ centavos na conta de energia para cobrir os custos com o acionamento de usinas termelétricas. Uma alternativa para preservar os reservatórios das hidrelétricas que estão baixos por conta da seca prolongada foi anunciada, essa medida será aplicada em todo o país. Esse impacto vem da decisão do governo federal em ativar a Usina Termelétrica Fortaleza, da Enel, pelo prazo de 90 dias. Para isso, a ideia é melhorar a remuneração da usina para cobrir o gasto operacional.

Com isso, automaticamente o aumento será repassado diretamente para os consumidores. Estão nos planos fazer o mesmo com três termelétricas movidas a gás natural: Uruguaiana (da AES), Araucária (Companhia Paraense de Energia-Copel) e de Cuiabá. Neste caso, o aumento da conta vai depender da necessidade de acionar ou não essas usinas. A estimativa de impacto para o consumidor é da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

As medidas constam de duas portarias do Ministério de Minas e Energia, publicadas no início desta semana. A norma definitiva deve ser divulgada no fim da próxima semana, com a alegação do governo de que as usinas têm preço competitivo. Atualmente, elas não têm contrato de comercialização de energia. Em nota, a Enel, responsável pelo fornecimento e distribuição de energia elétrica em Goiás, alegou que a portaria pretende sanar uma questão que prejudica os consumidores de energia elétrica do país. A empresa ainda declara que a suspensão do gás fornecido pela Petrobras à Termofortaleza, pertencente à Enel, “gerou o impacto em 5 meses (março a agosto/18) de cerca de R$ 200 milhões de reais, considerando os custos adicionais para o sistema e impactos diretos ao consumidor através da tarifa de energia”.

“A Termofortaleza, da Enel Brasil, é uma das usinas térmicas mais eficientes com menor custo de geração do país, por isso sua operação é de suma importância nos momentos de crise energética no País. A usina foi incluída no Programa Prioritário de Termeletricidade (PPT), instituído no​​ início dos anos 2000, para estimular o uso do gás natural e aumentar a segurança do abastecimento de energia elétrica.

A Enel entende que a portaria em consulta pública visa sanar temporariamente uma questão que prejudica todos os consumidores de energia do país e não apenas a Termofortaleza. Com a suspensão do gás fornecido pela Petrobras à Termofortaleza, o impacto em 5 meses (março a agosto/18) já está em cerca de R$ 200 milhões, considerando os custos adicionais para o sistema e impactos diretos ao consumidor através da tarifa de energia. Este acréscimo de custo ocorre em razão do acionamento de térmicas mais caras, incluindo usinas movidas a óleo diesel. Estudo elaborado pela PSR a pedido da Enel aponta que os prejuízos para o sistema com a paralisação da Termofortaleza poderiam ultrapassar R$ 1 bilhão no ano

A companhia acredita ainda ser extremamente necessária a preservação do ambiente legislativo e regulatório do País de forma a assegurar a estabilidade dos contratos e o ambiente seguro de investimentos. A solução definitiva e estrutural para o funcionamento da usina depende ainda de projeto de lei que garanta o fornecimento do gás.”

 

 

 

A imagem pode conter: texto

contato@aureolaboratorio.com

​​ (62) 3331-2613

End: R. São Paulo, qd. 25, lt.12, s.n - Centro

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here