Sem solução para pagar salário atrasado de servidores, governo decide não cobrar parcela de dezembro do Ipasgo

0
65

 

 

Ainda sem solução definitiva para pagar o salário atrasado de servidores, a secretária da Fazenda de Goiás informou, ontem, quarta-feira (9), que o governo não irá cobrar a parcela,​​ referente a dezembro, do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás (Ipasgo), dos funcionários que ainda não receberam. A secretária da Fazenda de Goiás, Cristiane Schimidt, disse que está a caminho de Brasília para conversar com o​​ ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre como regularizar a situação financeira do estado.

"Não vai ocorrer débito do Ipasgo na folha dos servidores porque ainda não houve pagamento", disse o superintendente executivo da Dívida Pública, Contabilidade e Tesouro, Sílvio Vieira de Luz.

Resultado de imagem para Sem solução para pagar salário atrasado de servidores, governo decide não cobrar parcela de dezembro do Ipasgo

Secretária da Fazenda de Goiás, Cristiane Schimidt

A secretária da Fazenda de Goiás, Cristiane Schimidt, esteve em reunião no Tesouro Nacional em Brasília, na terça-feira (8), e negociou com o órgão para antecipar visita do grupo ao estado do dia 21 para o dia 14 de janeiro. Na tarde desta quarta-feira, ela disse que está voltando a Brasília ainda hoje em busca de alternativas para resolver a situação financeira de Goiás.

"Vamos conversar com Paulo Guedes para ver o que pode ser feito. O objetivo da minha ida lá é ver se tenho​​ alternativas com ele. Se não conseguirmos entrar no plano do governo de recuperação fiscal, que é​​ nosso plano A e que nos daria amortização de juros por até três anos, temos que avaliar com ele outras saídas", explicou.

Schmidt explicou que o Estado não está em boas condições de conseguir empréstimos bancários por causa da dívida de R$ 3 bilhões. Além disso, a secretária esclareceu que, por lei, o governo federal não pode fazer empréstimos aos governos estaduais para pagamento de salários.

A secretária reforçou que, mesmo se houver indicativos de greve das categorias, não há o que fazer até conseguir aprovar o orçamento de 2019, o que será feito após visita da equipe do Tesouro Nacional. "Se tiver greve, vai ter greve. Simplesmente não tenho dinheiro", afirmou.

Por meio de nota, o ex-governador Marconi Perillo disse que, durante seus mandatos, "todas obrigações fiscais e financeiras foram cumpridas". Também de acordo com o texto ele afirmou ter implantado medidas que "mantiveram o Estado em equilíbrio fiscal".

Já o ex-governador José Eliton disse, também por meio de nota, que o "novo governo conta com recursos financeiros e instrumentos orçamentários suficientes para pagar a folha de dezembro do funcionalismo público estadual". O político afirmou ainda, no texto, que "não há impedimento legal ou orçamentário" para fazer os pagamentos.

Também nesta quarta-feira, representantes dos sindicatos dos servidores públicos de Goiás se reuniram para falar sobre o assunto. Presidente do Sindipúblico, Nylo Sérgio afirmou que o grupo aguarda uma definição do estado sobre o pagamento atrasado.

"Nós defendemos o pagamento em ordem cronológica, ou seja, o mês de dezembro antes do mês de janeiro", afirmou.

Ajustes de contas

Schmidt, disse ainda que a Sefaz irá investigar as licitações feitas pela gestão anterior para saber se há algum sobrepreço e se há algum pagamento que possa ser cortado.

​​ “Vamos buscar saber se não estamos pagando além do que deveria para alguns contratos. Vamos avaliar: será que não tem outras fontes de renda? Um imóvel que possamos alugar ou vender, vamos avaliar as alternativas”, completou.

Na terça-feira, Caiado disse que pagará 80% dos salários dos servidores do estado referente a janeiro de 2019 até o dia 25 do mesmo mês. No entanto, ele pediu “prazo” para conseguir condições de quitar a folha de dezembro de 2018, que ainda não foi paga.

Crise financeira

Em entrevista à Globo News, o governador disse que o estado está em situação de “concordata, falência”, mas vai tomar as atitudes necessárias para sair​​ da crise.

A Secretaria da Fazenda de Goiás (Sefaz-GO) havia informado que pretendia parcelar os salários dos servidores em até oito vezes. Conforme apurou a TV Anhanguera, os representantes dos trabalhadores não aceitaram a proposta.

 

Fonte: G1 Goiás.

Parceiro:

 

Nenhuma descrição de foto disponível.

 

A imagem pode conter: céu, nuvem e atividades ao ar livre

 

Onde estamos

Rua Marinheiro, Qd. 08, Lt. 12, Vila Marília

Email

contato@grafiatoconstrutora.com.br

Site:

www.grafiatoconstrutora.com.br

Fale​​ com a gente

Fone: (+55) 62 3331 2407

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here