Polêmica: Irmandade do Santíssimo quer cercar a Igreja Matriz com grades permanentes, mas Comissão de Folclore é contra

0
352

De um lado estão os membros da Irmandade do Santíssimo e alguns vereadores, do outro está a presidente da Comissão Pirenopolina de Folclore, Séfora de Pina. Este impasse foi noticiado ontem pelo portal Mais Goiás, sobre uma discussão que está gerando o movimento para colocação de grades fixas em todo entorno da Igreja Matriz Nossa Senhora do Rosário.

O jornal Pirenópolis Online quer saber sua opinião: O que você acha de colocar grades em volta da Igreja Matriz permanentemente?

O movimento defende que a igreja precisa ser protegida da “profanação”, como já acontece em períodos como réveillon e carnaval. Nesses períodos o templo é cercado temporariamente para evitar que muitas pessoas se aglomeram ao redor do prédio histórico.

A polêmica tem dividido opiniões. De acordo com a presidente da Comissão Pirenopolina de Folclore, Séfora de Pina, a ideia tem o propósito de mudar a paisagem do local, o que pode ferir o padrão estético da cidade.

“Estão tomando decisões sem comunicar as partes, prefeitura e até mesmo a paróquia. É uma coisa a ser estudada, mas que não tem viabilidade. Perde todo o encanto da cidade”, afirma.

Para Séfora, o fato da cidade e da própria Igreja Matriz ser tombada historicamente já impede o andamento do projeto. “O padre ainda vai discutir e ouvir a paróquia toda, isso ainda será estudado. Todos estão achando um absurdo. Isso é uma coisa inviável por ser uma cidade do patrimônio histórico e a igreja ser tombada. Não pode simplesmente cercar com a grade atrapalhando a entrada e imagem da igreja, saindo totalmente do que é a cidade”, declara.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) disse, que  desconhece a movimentação de instalação de grades fixas no entorno da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Pirenópolis. Além disso, intervenções e instalação de estruturas, como grades fixas, tem que passar pela avaliação do Iphan, de modo que não haja poluição visual ou qualquer outro dano próximo ou junto aos bens históricos tombados e reconhecidos como Patrimônio Cultural Brasileiro.

A autarquia federal é vinculada ao Ministério do Turismo e responde pela preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro. Alterações na constituição de prédios e cidades históricas precisam ter anuência do instituto para serem realizadas.

Líder do movimento defende ideia de cercar a Igreja Matriz de Pirenópolis

O presidente da Irmandade do Santíssimo, Eduardo Tadeu do Nascimento, explicou que as grades seriam instaladas para a “segurança” da Igreja Matriz.

“Esse gradeamento é mais que necessário e estamos tentando discutir para chegar a um consenso. Não se trata de preocupação estética, mas para proteger a frente da Matriz que se transformou em uma situação caótica”, alega.

“Não temos praça na cidade e os moradores e turistas se reúnem na porta da igreja, onde fazem churrasco e bebem. E no momento que os fiéis chegam para as missas está tudo uma bagunça”, reclama.

Segundo ele, pessoas ainda colocam carros com som alto na porta da igreja e a cerca evitaria esses comportamentos. “Estão fumando maconha na porta da igreja e isso é uma situação inusitada para nós”, completa.

Cerca contra “profanação” não prejudicaria a estética, segundo a Irmandade do Santíssimo

Na avaliação de Eduardo, a ideia não prejudica a estética. “A nossa Matriz tem 30 metros de altura e a grade que a gente quer tentar colocar é de 1,5m de altura aproximadamente. É só para proteger mesmo e isso não vai ferir a estética da igreja”.

A ideia da Irmandade do Santíssimo é que a barreira não impeça o acesso à porta da Matriz e que uma pessoa fique responsável por abrir e fechar o cercado.

Polêmica: assunto deve ser debatido em consulta popular

O líder do movimento disse ainda que pretende fazer uma consulta popular sobre a ideia. “Estamos pensando em fazer uma consulta popular para não sermos autoritários. Acredito que a grande maioria quer o gradeamento.  É uma ideia que está amadurecendo e se fortalecendo ainda, principalmente, por essa questão de segurança. Caso aprovada, vamos buscar consenso com o IPHAN e com outras entidades para escolher o modelo da grade. Estamos abertos ao diálogo”.

Sobre o tombamento

O composto das riquezas históricas e culturais, do Conjunto Arquitetônico, Urbanístico, Paisagístico e Histórico de Pirenópolis foi tombado pelo Iphan em janeiro de 1990. Com característica de um centro urbano em pleno desenvolvimento turístico e econômico, a cidade se manteve quase intocada até a metade do século XX, o que foi essencial para a formação de sua identidade cultural e para a preservação do patrimônio edificado.

O conjunto tombado abriga um dos mais importantes acervos patrimoniais do Centro-Oeste. Entre as construções, destacam-se a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, que foi o primeiro bem tombado pelo Iphan na cidade, ainda em 1941. Fonte Mais Goiás.

Parceiro:

Pode ser uma imagem de texto que diz "B MEIO AMBIENTE INTELIGENTE"

Telefone – (62) 99943-0993.
Endereço: Avenida Sizenando Jaime, quadra 26, número 3

De um lado estão os membros da Irmandade do Santíssimo e alguns vereadores, do outro está a presidente da Comissão Pirenopolina de Folclore, Séfora de Pina. Este impasse foi noticiado ontem pelo portal Mais Goiás, sobre uma discussão que está gerando o movimento para colocação de grades fixas em todo entorno da Igreja Matriz Nossa Senhora do Rosário.

O jornal Pirenópolis Online quer saber sua opinião: O que você acha de colocar grades em volta da Igreja Matriz permanentemente?

O movimento defende que a igreja precisa ser protegida da “profanação”, como já acontece em períodos como réveillon e carnaval. Nesses períodos o templo é cercado temporariamente para evitar que muitas pessoas se aglomeram ao redor do prédio histórico.

A polêmica tem dividido opiniões. De acordo com a presidente da Comissão Pirenopolina de Folclore, Séfora de Pina, a ideia tem o propósito de mudar a paisagem do local, o que pode ferir o padrão estético da cidade.

“Estão tomando decisões sem comunicar as partes, prefeitura e até mesmo a paróquia. É uma coisa a ser estudada, mas que não tem viabilidade. Perde todo o encanto da cidade”, afirma.

Para Séfora, o fato da cidade e da própria Igreja Matriz ser tombada historicamente já impede o andamento do projeto. “O padre ainda vai discutir e ouvir a paróquia toda, isso ainda será estudado. Todos estão achando um absurdo. Isso é uma coisa inviável por ser uma cidade do patrimônio histórico e a igreja ser tombada. Não pode simplesmente cercar com a grade atrapalhando a entrada e imagem da igreja, saindo totalmente do que é a cidade”, declara.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) disse, que  desconhece a movimentação de instalação de grades fixas no entorno da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Pirenópolis. Além disso, intervenções e instalação de estruturas, como grades fixas, tem que passar pela avaliação do Iphan, de modo que não haja poluição visual ou qualquer outro dano próximo ou junto aos bens históricos tombados e reconhecidos como Patrimônio Cultural Brasileiro.

A autarquia federal é vinculada ao Ministério do Turismo e responde pela preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro. Alterações na constituição de prédios e cidades históricas precisam ter anuência do instituto para serem realizadas.

Líder do movimento defende ideia de cercar a Igreja Matriz de Pirenópolis

O presidente da Irmandade do Santíssimo, Eduardo Tadeu do Nascimento, explicou que as grades seriam instaladas para a “segurança” da Igreja Matriz.

“Esse gradeamento é mais que necessário e estamos tentando discutir para chegar a um consenso. Não se trata de preocupação estética, mas para proteger a frente da Matriz que se transformou em uma situação caótica”, alega.

“Não temos praça na cidade e os moradores e turistas se reúnem na porta da igreja, onde fazem churrasco e bebem. E no momento que os fiéis chegam para as missas está tudo uma bagunça”, reclama.

Segundo ele, pessoas ainda colocam carros com som alto na porta da igreja e a cerca evitaria esses comportamentos. “Estão fumando maconha na porta da igreja e isso é uma situação inusitada para nós”, completa.

Cerca contra “profanação” não prejudicaria a estética, segundo a Irmandade do Santíssimo

Na avaliação de Eduardo, a ideia não prejudica a estética. “A nossa Matriz tem 30 metros de altura e a grade que a gente quer tentar colocar é de 1,5m de altura aproximadamente. É só para proteger mesmo e isso não vai ferir a estética da igreja”.

A ideia da Irmandade do Santíssimo é que a barreira não impeça o acesso à porta da Matriz e que uma pessoa fique responsável por abrir e fechar o cercado.

Polêmica: assunto deve ser debatido em consulta popular

O​​ líder do movimento disse ainda que pretende fazer uma consulta popular sobre a ideia. “Estamos pensando em fazer uma consulta popular para não sermos autoritários. Acredito que a grande maioria quer o gradeamento.  É uma ideia que está amadurecendo e se fortalecendo ainda, principalmente, por essa questão de segurança. Caso aprovada, vamos buscar consenso com o IPHAN e com outras entidades para escolher o modelo da grade. Estamos abertos ao diálogo”.

Sobre o tombamento

O composto das riquezas históricas e culturais, do Conjunto Arquitetônico, Urbanístico, Paisagístico e Histórico de Pirenópolis foi tombado pelo Iphan em janeiro de 1990. Com característica de um centro urbano em pleno desenvolvimento turístico e econômico, a cidade se manteve quase intocada até a metade do século XX, o que foi essencial para a formação de sua identidade cultural e para a preservação do patrimônio edificado.

O conjunto tombado abriga um dos mais importantes acervos patrimoniais do Centro-Oeste. Entre as construções, destacam-se a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, que foi o primeiro bem tombado pelo Iphan na cidade, ainda em 1941. Fonte Mais Goiás.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here