Traição e autoritarismo na sessão da Câmara de Vereadores de Pirenópolis

0
1638

Nenhuma descrição disponível.

Mas uma vez a troca de choque do prefeito Nivaldo Melo (PP), formada pelos vereadores aliados ao Executivo, fizeram uma manobra de última hora e aprovaram dois projetos se suma importância para o município.

Momentos tensos marcaram a votação da criação dos Conselhos de Cultura e de Turismo e seus respectivos fundos pelas Comissões de Cultura e de Turismo da Câmara de Vereadores de Pirenópolis. No decorrer da tarde, dois grupos brigavam por questões distintas. De um lado estava o Executivo com dois projetos em pauta para serem votados e analisados e a maioria dos edis que formam a base aliada do prefeito. Do outro lado, estava dois vereadores e alguns representantes da sociedade civil preocupados com o futuro da cultura e turismo de Pirenópolis.

Apesar de vários protestos acalorados, ambos os projetos foram votados e aprovados, mesmo indo contra o desejo de muitos e com várias falhas apontadas.

Nenhuma descrição disponível.

Um dos momentos mais tensos, foi quando o vereador Mozarto Machado(MDB), designado como presidente das Comissões, manifestou sua indignação quanto as mudanças feitas pelo presidente da Câmara, Joassi Figueiredo (PP), nos dois projetos sem consultar os relatores. Ele bastante alterado, disse ser um ato inconstitucional. “O que aconteceu aqui hoje, foi uma afronta ao regimento interno da Casa. Um ato inconstitucional que fere nossa democracia. Além dele alterar alguns pontos dos projetos na “calada da noite”, ainda designou outro relator para o projeto do Turismo. Antes era a vereadora Ynaê, que foi substituída às pressas sem um comunicado e na surdina. Autoritarismo e inconstitucionalidade”, desabafou Mozarto.

A população inconformada, pressionou de todas as formas para que houvesse um adiamento destas votações, para um possível consenso. “A gente pede que haja uma discussão com a sociedade. Temos muitas dúvidas com relação a esses projetos. Eles são muito importantes para o futuro cultural e turístico de nossa cidade”, salientou Daraína Pregnolato, membro Conselho de Cultura.

A vereadora Ynaê Siqueira Curado(DEM), que anteriormente foi nomeada como relatora do Projeto de Turismo, ficou visivelmente consternada, quando segundo ela, foi pega de surpresa ao descobrir que além de ser substituída da função de relatora, ainda modificaram e anularam toda a pesquisa que tinha feito anteriormente, quando ouviu 237 empresários de Pirenópolis sobre as necessidade e regulamentações para o setor. “Estou indignada com essa atitude. Fiz tudo que pude para ter um projeto elaborado com a participação do trade, perdi muitas horas de trabalho. Quem perde, infelizmente é a sociedade. O presidente alegou que extrapolou o prazo, mas o projeto ainda estava dentro do prazo, estava em processo de discussão”, pontuou Ynaê.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here