Maior crise enfrentada pelo futebol profissional; veja os impactos da pandemia

0
211

A pandemia de coronavírus é a maior crise que o futebol profissional já enfrentou. A incerteza sobre se as ligas serão capazes de terminar a temporada 2019-20 é apenas o começo dela; além disso, o futebol não voltará ao normal por muito tempo.

“Estádios cheios só serão vistos novamente quando estivermos seguros, e isso só vai acontecer quando houver uma vacina”, diz Sandra Zampa, subsecretária do Ministério da Saúde da Itália. Uma vacina é geralmente considerada como estando a cerca de 18 meses de estar amplamente disponível. Isso significa que a próxima temporada poderá ser jogada com portões fechados, se é que teremos uma.

Enquanto isso, muitos torcedores que perderam o emprego cancelarão suas assinaturas de TV paga e pacotes de sócio-torcedor; empresas em crise abrirão mão de patrocínios de camisas; alguns proprietários vão querer sair do futebol depois de perder fortunas em outros negócios. Aqui, tentei colocar as perspectivas de sobrevivência dos clubes e do mercado de transferências.

Clubes vão desaparecer?

Algumas equipes do tamanho de Schalke 04 e Burnley, da Premier League, estão ameaçadas de falência. Fundamentalmente, porém, há uma grande diferença entre um clube ir à falência e nunca mais jogar. Muitos clubes vão à falência durante a pandemia – o sete vezes campeão eslovaco MSK Zilina e o belga Lokeren – mas isso não significa que esses clubes desaparecerão. Enquanto a falência é comum no futebol, o desaparecimento por completo é quase inédito.

Ao longo da história do esporte, a maioria dos clubes perdeu dinheiro. Números incontáveis, quase todos pequenos, declararam falência. Havia 35 insolvências nas quatro principais divisões inglesas entre 2003 e 2014, de acordo com Stefan Szymanski, professor de economia da Universidade de Michigan e meu coautor do livro Soccernomics. Como em todas as crises anteriores, os clubes pequenos correm mais riscos dessa vez, principalmente porque dependem muito da receita das partidas (ingressos, mercadorias etc.), e não da renda da televisão. Se o futebol recomeçar com portões fechados, os grandes clubes ganharão bilhões com a TV. Mas nas divisões inferiores, a renda do espectador é mais importante, e provavelmente será a última coisa a se recuperar assim que começarmos a voltar ao normal.

No entanto, os clubes quase sempre sobrevivem à falência. Às vezes, eles são socorridos pelo governo local ou comprados por um novo proprietário. Os clubes ingleses costumam usar um truque chamado “phoenixing” – permitir que a empresa que possuía o clube vá à falência, criar uma nova empresa e colocar o clube em nome nela. Dessa forma, o clube surge como uma fênix das cinzas.

Houve luto na Inglaterra quando Bury ficou desapareceu no ano passado. Mas muito mais comum foi a experiência de seus vizinhos, o Bolton: seus bens foram transferidos para uma nova empresa e eles continuaram a jogar alegremente. Até o Bury ainda pode voltar à vida, como quase todos os clubes ingleses que desapareceram antes, incluindo Aldershot Town e Accrington Stanley. O último clube profissional inglês a desaparecer para sempre foi o Wigan Borough em 1931 e, mesmo assim, seu sucessor, o Wigan Athletic, foi fundado no ano seguinte.

Todos os outros clubes do país sobreviveram à Grande Depressão, à Segunda Guerra Mundial, às recessões, aos presidentes corruptos, aos pavorosos gerentes e à crise econômica de 2008. Eles também sobreviverão ao coronavírus.

Quem pode salvar clubes em risco?

Muitos proprietários, especialmente os que estão no ramo de hotéis, viagens ou restaurantes, perderam dinheiro e podem não querer ou não conseguir resgatar seus clubes. Mas em países como Inglaterra e Itália, que permitem que quase todos possuam clubes, haverá novos compradores. Afinal, esta é provavelmente a melhor hora para comprar um clube barato. A aquisição do Newcastle pelo Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita, no valor de 300 milhões de libras, provavelmente será o primeiro de muitos desses movimentos durante esta crise.

A ESPN informou na segunda-feira que um grupo de financiadores globais, incluindo uma grande empresa americana, está oferecendo ao futebol inglês uma linha de vida no valor de mais de um bilhão de libras. O grupo receberia pagamentos de juros dos clubes ou participaria deles. Claramente, esses financiadores estão confiantes de que o futebol irá se recuperar.

Em países como Alemanha e França, os governos locais ajudarão os clubes. Mas em todo o esporte, os principais salvadores serão os jogadores. Eles já estão sendo pressionados a aceitar cortes nos salários para manter os clubes vivos e bem. Os jogadores de futebol não são as pessoas mais ricas da sociedade, mas são as mais visivelmente ricas. No momento em que milhões de pessoas estão perdendo seus empregos, os clubes tentam publicamente envergonhar os jogadores que insistem em receber o salário integralmente. Szymanski propõe oferecer aos jogadores uma parcela da renda futura do futebol: os clubes adiariam os salários de hoje e os pagariam (em parte, pelo menos) nos próximos anos após a retomada do esporte.

Clubes mais ricos também serão pressionados a subsidiar os mais pobres. Na Alemanha, os clubes qualificados para a Champions League – Bayern de Munique, Borussia Dortmund, RB Leipzig e Bayer Leverkusen – já prometeram milhões para adversários atingidos.

O mercado de transferências entrará em erupção?

Clubes quase falidos serão forçados a vender seus melhores jogadores a preços baixos, uma clara oportunidade para os poucos clubes com dinheiro na mão se beneficiarem. Pense no Ajax ou no Chelsea, cuja proibição de transferências no verão passado agora parece uma bênção: este último ficou com dinheiro para gastar, bem na hora em que o preço dos jogadores cai. O ditado é “O dinheiro é o rei”, porque qualquer pessoa com dinheiro no bolso pode comprar ativos a preços baixos.

Outro mantra das crises é a “fuga para a qualidade” – ou seja, quando os fundos estão escassos, as pessoas tendem a gastá-los com ativos confiáveis, e não com riscos. No futebol, um ativo arriscado significa um jogador talentoso que é inconsistente. Os clubes só jogam fora esses jogadores durante os bons tempos. O Barcelona comprou Ousmane Dembélé por 105 milhões de euros (R$ 626 milhões) em 2017. Agora, eles estão lutando para vendê-lo pela metade desse valor.

Outra reviravolta será que muitos movimentos nesta janela acontecerão sem troca de dinheiro: os clubes não vão querer vender a preços baixos, a menos que precisem, enquanto a maioria dos clubes não pode comprar. O presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, prevê mais acordos de troca. (Há um que pode envolver seu clube também: a única maneira de o Barça conseguir Neymar é oferecer ao Paris Saint-Germain vários jogadores em troca, já que os gigantes espanhóis não têm os 200 milhões de euros – R$ 1,1 bilhão – que o PSG deseja.)

Também haverá mais empréstimos: um clube com mais dinheiro retira o caro salário de um jogador do clube em dificuldades, com o objetivo de comprá-lo na janela seguinte, quando tudo voltar ao normal.

Qualquer clube com dinheiro suficiente para enfrentar esta crise terá como objetivo evitar a venda de ativos até 2021, quando os preços já devem ter se recuperado. Antes da pandemia, a maior transferência desta janela seria a ida de Kylian Mbappé para o Real Madrid. Agora, o Paris Saint-Germain planeja ficar com ele por mais um ano.

Muitos jogadores na metade de baixo do mundo do futebol abandonaram completamente o esporte. Viajantes relativamente bem pagos cujos contratos expiram neste verão estão particularmente em risco. Quando se trata de jogadores da parte de baixo das principais ligas europeias, poucos terão feito o suficiente para se aposentar bem. Esses homens podem se juntar às longas filas de desempregados, junto com pessoas que trabalhavam em lojas de clubes e departamentos de marketing ou que vendiam hambúrgueres fora do campo nas rodadas.

Como o futebol emergirá disso?

O futebol profissional vencerá o coronavírus. A recuperação total pode demorar um pouco – quem sabe quando será seguro para 60.000 pessoas se reunirem em um estádio novamente? – mas todos os clubes provavelmente ainda existirão daqui a três anos.

Felizmente, o futebol não precisa de muito dinheiro para sobreviver, e o esporte entrou na pandemia em alta histórica. A receita total dos clubes de futebol europeus para a temporada 2017-18 foi de 28,4 bilhões de euros (R$ 169 trilhões), segundo estimativas da consultoria de negócios Deloitte. No ano passado, o número provavelmente foi maior.

Vamos imaginar que a pandemia tenha um efeito brutal a longo prazo na indústria, sem dúvida reduzindo pela metade suas receitas. Essa queda os reduziria apenas para o nível de 2008-09, quando as receitas foram de 15,7 bilhões de euros (novamente de acordo com a Deloitte). Os clubes lidaram com isso na época e até décadas antes da TV paga chegar para sobrecarregar suas finanças. Tudo o que os clubes precisam fazer para sobreviver é viver mais ou menos dentro de seus meios. Como a maior despesa é com os salários, isso significa que os jogadores terão um corte.

Há coisas piores acontecendo no mundo hoje em dia.

Fonte: ESPN

Parceiro:

Nenhuma descrição de foto disponível.

A imagem pode conter: área interna

 

Rua Benedito Pina, 8
Telefone – 33312154
Horário de funcionamento: das 06h00 às 18h00

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here