Pirenópolis tem protestos contra cortes de recursos na educação que comprometerão o funcionamento do Campus da UEG local

0
199

 

C:\Users\work\Downloads\WhatsApp Image 2019-05-16 at 06.46.47 (2).jpeg

C:\Users\work\Downloads\WhatsApp Image 2019-05-16 at 06.46.47 (3).jpeg

 

Os atos aconteceram em Pirenópolis,​​ em cidades de todo Brasil. Algumas escolas e universidades suspenderam as aulas.

Estudantes e educadores​​ da UEG-Pirenópolis fizeram uma passeata de protesto contra a redução dos recursos às universidade brasileiras,​​ anunciada​​ pelo​​ Ministério da Educação (MEC).​​ 

A manifestação​​ foi feita na tarde de ontem(15), reuniu cerca de 100 pessoas,​​ que​​ saíram​​ do campus UEG, percorreram a avenida Benjamin Constant​​ e​​ ocuparam​​ o canteiro central em frente a prefeitura. Após o ato, seguiram para a​​ Praça​​ da Matriz​​ e se dispersaram.​​ 

Os estudantes cantavam “A UEG é nossa”​​ e seguravam dezenas​​ de faixas e cartazes com frases em defesa da educação e contra o corte.​​ O ato​​ ocorreu simultaneamente em várias cidades de Goiás e do país. Houveram​​ protestos desde o início do dia.​​ 

O​​ coordenador do Curso de Gastronomia da UEG-Pirenópolis, Vanderlei Alcântara,​​ disse que se houver essa redução​​ de custos para às universidades,​​ o campus​​ de Pirenópolis corre o risco de se extinguir. Já estamos funcionando somente nos turnos vespertino e noturno para tentarmos economizar, mas se houver as demissões dos funcionários técnico-administrativos estamos condenados ao fechamento do Campus UEG” revelou o coordenador.

Ele conta que a UEG-Pirenópolis​​ atualmente possui 9 professores temporários, 18 técnico-administrativos, 119 alunos de Gastronomia, 71 alunos de hotelaria, 50 alunos de Pedagogia e 50 alunos de pós-graduação.​​ 

No final da tarde, diante de toda mobilização nacional quando estudantes protestam em todos os estados,​​ o presidente Jair Bolsonaro,​​ em visita aos Estados Unidos, disse que os manifestantes são “idiotas úteis” , utilizados como “massa de manobra”.​​ 

Num balanço geral, ao menos 173 cidades nos 26 estados do país e no Distrito Federal registraram protestos de estudantes, professores e profissionais de educação contra a decisão do governo de bloquear verbas de instituições federais de ensino.

Bloqueio de recursos

Em abril, o Ministério da Educação divulgou que todas as universidades e institutos federais teriam bloqueio de recursos. Em maio, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) informou sobre a suspensão da concessão de bolsas de mestrado e doutorado.

De acordo com o Ministério da Educação, o bloqueio é de 24,84% das chamadas despesas discricionárias — aquelas consideradas não obrigatórias, que incluem gastos como contas de água, luz, compra de material básico, contratação de terceirizados e realização de pesquisas. O valor total contingenciado, considerando todas as universidades, é de R$​​ 1,7 bilhão, ou 3,43% do orçamento completo — incluindo despesas obrigatórias.

Em 2019, as verbas discricionárias representam 13,83% do orçamento total das universidades. Os 86,17% restantes são as chamadas verbas obrigatórias, que não serão afetadas. Elas correspondem, por exemplo, aos pagamentos de salários de professores, funcionários e das aposentadorias e pensões.

 

Parceiro:

 

​​ 

 

Restaurante de sushi · Cyber café

Rua Luiz Fleury de Campos Curado, Qd 05,Lt 14, Bairro do Carmo

(62) 99520-1880

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here